.Filme promotor
Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2008
Grupo_2 A História da Cidade de Chaves

Pré-história

 

O concelho de Chaves é rico em vestígios da pré-história. Desta época abundam as demonstrações de arte rupestre, bem como castros de origem Celta como por exemplo o Castro de Curalha. Este castro situa-se a 7km de Chaves, ao lado da Estrada Nacional nº103 e está instalado no topo de um morro, marcado por um enorme pinheiro manso. Tem a rodeá-lo uma extensa muralha de 240m, que protege um recinto de casas ainda facilmente identificadas.

Mais distante, perto de Roriz, encontra-se um monumento curioso, denominado "Castelo do Mau Vizinho". Supõe-se que seja um santuário pré-histórico, composto por um altar e locais de sacrifício.

Em “Vale da Anta”, a cerca de 5km de Chaves, no local denominado Outeiro Machado, encontra-se uma pedra de 18 por 6 metros na qual estão gravados cerca de 500 sinais diversos: cruzes, colheres, pás, entre outros.

 

Idade Antiga


Há 2000 anos os romanos fixaram-se no vale e no local onde hoje está situada a cidade de Chaves. Construíram muralhas, estradas, pontes, barragens, termas e exploraram minas de ouro.
No ano 78dc, o imperador Tito Flávio Vespasiano elevou o local a município, passando a ser conhecido por “AQUAE FLAVIAE”, devido às propriedades das águas termais.
A ponte de Trajano, ponte romana que une as duas margens do rio Tâmega é o ex libris da cidade, o mais notável monumento que foi herdado da ocupação romana.

 

 

Idade média


Já integrada no reino Visigodo como o resto da península, Flávias foi ocupada pelos muçulmanos no início do século VIII, que venceram o monarca visigodo Rodrigo e ocuparam a região.
No ano 744 D. Afonso I, rei de Leão conquistou a vila.
No século IX voltou à posse dos mouros. No ano 888 D. Afonso III, rei de Leão, voltou a conquistar a vila.
No ano de 1129 a vila foi novamente ocupada pelos mouros.

No ano de 1160 passou de vez para o reino de Portugal, sendo conquistada aos mouros pelos irmãos Rui e Garcia Lopes que ofereceram a sua vitória a D. Afonso Henriques, o qual lhes deu o governo da praça e o direito de usar o apelido de Chaves.
Em 15 de Maio de 1258 D. Afonso III elevou a povoação de Chaves à categoria de vila e concedeu-lhe a 1ª carta de foral.
No séc. XIV, D. Dinis mandou construir o castelo com a sua formidável Torre de Menagem e a muralha na margem direita do rio Tâmega.
D. Afonso 1º Duque de Bragança filho natural do Rei D. João I de quem recebeu por doação a “vila de Chaves e seu castelo”. Morreu em 1461, sendo sepultado na Igreja do Forte de S. Francisco e em 1941 transladado para o Paço dos Duques de Bragança.
No final da idade média, chaves era uma vila importante talvez a mais poderosa de Trás-os-Montes, fazendo parte das rotas do Caminho de Santiago.

 

 

Idade moderna


É em Chaves que em 1483 é impresso o primeiro livro em Português (“Sacramental”).
D. Manuel I outorgaria novo foral a Chaves.
Nesta altura o concelho de Santo Estêvão foi integrado em Chaves.
Outro concelho que existiu foi o de Monforte de Rio Livre, extinto em 6 de Novembro de 1853 e passando uma parte para o concelho de Chaves e outra para o de Valpaços.
Em 1658 inicia-se a construção do Forte de S. Francisco no alto da Pedisqueira, para a defesa de Chaves durante a guerra da Restauração.
Em 1664 inicia-se a construção do Forte de S. Neutel.

 

 

Idade contemporânea

 

Em 1789, no reinado de D. João V, foi construída
a Igreja de S. João de Deus, na freguesia da Madalena. A cidade foi cenário de diversos episódios bélicos no séc. XIX. Chaves foi a primeira cidade a ser atacada pelas tropas francesas lideradas por Solt. As tropas de Solt dirigiram-se então para o Porto, deixando em Chaves uma guarnição que foi vencida em 1809 pelo general Silveira.
Foi celebrado, a 20 de Setembro de 1837, a designada Convenção de Chaves, após o combate de Ruivães, pondo termo à revolta cartista de 1837, conhecida pela revolta dos marechais.
Em Chaves travou-se a 8 de Julho de 1912, o combate entre as forças monárquicas de Paiva Couceiro e as do governo republicano chefiadas pelo coronel Ribeiro de Carvalho, do qual resultou o fim da 1ª incursão monárquica.
Em 1921 é inaugurada a linha de caminho de ferro Régua-Chaves.
Chaves é elevada à categoria de cidade em 12 de Março de 1929, por decreto do presidente da república Marechal Carmona.

 

 

Peças Pré Históricas
expostas no Museu da Cidade




Símbolo pré-histórico ou, talvez, apenas uns menires. Na parte etnográfica estão expostos artefactos e utensílios artesanais, outrora comuns mas hoje desaparecidos do uso quotidiano.

 



publicado por chavespafrente às 14:14
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Jorge Alves Ferreira a 20 de Julho de 2016 às 19:10
Por favor corrijam a data da impressão do "Sacramental".
Obrigado,
Jorge Alves Ferreira


Comentar post

.Fazer olhinhos
.mais sobre mim
.Quem ta On??
web tracker
.posts recentes

. Grupo_2

. Grupo 1 --> AMICA ''As n...

. Grupo_2

. Grupo MAruzeta - "activi...

. Grupo MAruzeta - "parque...

. Grupo MAruzeta - "vidagu...

. Grupo MAruzeta - "Bandei...

. Grupo MAruzeta - "promoç...

. Grupo MAruzeta - "mercad...

. Grupo MAruzeta - "acção ...

.arquivos

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.mInI InQuÈrItO
Gosta da cidade de Chaves?




View Results
Free poll from Free Website Polls
.pesquisar
 
.Contador de visitas
coches
coches
blogs SAPO
.subscrever feeds